laceração

Laceração perineal: o que é, como prevenir e tratar

Escrito por Dra Juliana Chalupe Amado, médica Ginecologista e Obstetra do Grupo Nascer de Curitiba / PR.

Quando a gente ouve falar sobre os graus de laceração perineal, às vezes não conseguimos entender realmente o que pode estar acontecendo. A laceração é a lesão perineal que ocorre pela passagem do bebê. Em muitos partos ela não acontece. Quando ocorre, pode ser dividida em:

Grau 1: acomete somente pele e mucosa. É um corte superficial, como uma escoriação. Requer pontos somente se a área apresentar algum sangramento ativo ou mudança de anatomia (normalmente quando localizado nos pequenos lábios)

Grau 2: acomete subcutâneo e músculo. É uma lesão mais profunda que sempre deve ser suturada.


Grau 3: envolve os músculos e o esfíncter anal. Frequentemente requer cuidados especiais no pós parto.


Grau 4: envolve além do esfíncter anal, a mucosa do reto. É um tipo muito raro, porém mais grave, de laceração.

Como cuidar da laceração perineal após o parto?

Nas primeiras 24h, compressas geladas aliviam muito a dor e o inchaço. Só cuidado para não queimar a pele se fizer com gelo. Muitas vezes há anestesia para costurar a laceração e a mulher pode não perceber que está machucando.
Mantenha, também, o local sempre limpo e seco. Para isso, recomendamos o uso de água e sabonete neutro em vez de papel higiênico após usar o banheiro.
Tente manter as bordinhas da laceração “juntas” – essa é uma dica de ouro! Toda vez que a ferida é exposta à tração, a dor aparece. Então, a recomendação é tentar se acomodar no melhor sentido pra não “esticar” os pontos.

Como prevenir a laceração no parto?


Você pode evitar ou mesmo minimizar as lacerações se preparando para o período expulsivo, com fisioterapia pélvica. A profissional fisioterapeuta, dentre outras muitas técnicas, ensina a massagem perineal, auxilia no treino de expulsivo, em diferentes posições e com técnicas de respiração.
Além disso, a dica é evitar parto na posição de litotomia (deitada com as pernas flexionadas), evitar puxos dirigidos (manobra de segurar o ar para empurrar) e em hipótese alguma realizar a manobra de Kristeller.

Lembre-se: nenhuma dica de internet pode substituir uma consulta! Siga sempre a orientação do seu Obstetra.
Grupo Nascer

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *