Relato de parto - Alessandra Machado Suga

Relato de parto – Alessandra Machado Suga, paciente da dra Juliana Chalupe, do Grupo Nascer.

“No dia 8 de setembro comecei a ter os tais pródromos. Pródromos são as primeiras contrações uterinas que podem indicar que a hora do parto está chegando. Podem durar apenas algumas horas ou se estender por dias e até semanas e em cada mulher pode se manifestar de um jeito diferente.

Eu acordei sentindo uma cólica estranha, sei lá. Não sei explicar. Meio que ia pras costas. À tarde tive bastante contração de treinamento mais forte e mais incômoda do que outros dias. Suei um pouco na mãos e nos pés. À noite tive o tal do piriri que muitas gestantes comentam. A partir daí, a cada dia os pródromos ficavam mais intensos.

Minha doula Vivian sempre me acalmava e dizia que o momento estava próximo.

No dia 20 de setembro falei pra Vivian que estava super ansiosa, com muita dor nas costas. Ela veio até minha casa. Conversamos bastante e ela fez uma massagem super relaxante. Fiquei tranquila. Mas algo me dizia que Hideki estava querendo dar o ar da graça. No fim da tarde, percebi que ele não estava mexendo.

Fiquei alerta!

Mandei uma mensagem pra Dra Ju (dra Juliana Chalupe), e ela me disse que se ele não se mexesse na próxima hora eu deveria ir para a maternidade. E ele não mexeu.

Fui até o pronto atendimento e fui atendida pela dra Gabrielle (dra Gabrielle Navarro), também do Grupo Nascer ( super querida!).

A dra Ju já tinha avisado a dra Gabrielle que eu estava a caminho, e ela estava na portaria me esperando.

Fizemos um ultrassom e um Cardiotoco e vimos que estava tudo bem com nosso Pandinha. De coração mais leve voltei para casa. Em casa, resolvi tirar uma foto da barriga com a lua cheia, que estava linda! Pensei, vai que ele nasce né? E não deu outra!

Na madrugada do dia 21 (lua cheia) comecei com as contrações às 2h da manhã, porém não eram ritmadas. Meu marido já estava ansioso e avisou a Vivian, que avisou a dra Ju. Às 3h30 a bolsa estourou e às 4h as contrações fortes começaram.

As 4h30 (!) minha doula chegou e ficou comigo o tempo todo. Com massagens, tocando minha playlist do Spotify #vemhideki! Fui pro chuveiro algumas vezes. Não sei se conseguiria ficar em casa tanto tempo sem ela. Fiquei em casa até as 8h30 quando decidimos ir pra maternidade.

Na verdade, nessa hora, eu já estava no meu limite de dor e cogitando pedir a analgesia. Conversei com a Vivian que eu gostaria muito de evitar a analgesia, mas que não sabia se iria conseguir. Meu marido já estava com as coisas no carro e fomos pra maternidade. Chegando lá, fomos fazer o Cardiotoco enquanto esperávamos pela dra Juliana.

Quando a dra Ju chegou, já subimos para o quarto e para minha surpresa eu já estava de 7-8 de dilatação. Pensei: “meu Deus! Hideki logo vai estar aqui!”

Como a minha dor era intensa, eu já tinha esquecido meu plano de parto. Falei que queria analgesia. A dra Ju e a Vivian sugeriram que eu entrasse no chuveiro um pouco. Nesse momento, entrei na partolândia.

Lembro que pedi analgesia algumas vezes, mas a Vivian e a dra Juliana me acalmavam e diziam que o Hideki já ia chegar. Durante o tempo em que fiquei no chuveiro, a dra Ju falou pra Vivian me avisar que tudo estava correndo bem e que o Hideki poderia nascer no quarto mesmo. Nessa hora, não fixei essa informação kkk.

Fiquei cerca de duas horas até atingir 10cm de dilatação. Foi então que senti uma vontade enorme de empurrar e falei para Vivian: “chama a dra Ju que ele vai nascer, eu quero sair do chuveiro agora!”

Meu marido estava com uma cara de desespero, coitado. Foi então que eu fui para a cama para iniciar o período expulsivo. Meu esposo Fábio estava o tempo todo ao meu lado dizendo que já estava próximo, que eu ia conseguir.

No momento em que eu queria desistir, a dra Ju veio segurou na minha mão bem forte e disse: “Ale, você vai conseguir, ele tá quase chegando!”

A Vivian e o Fabio seguravam forte as minhas mãos e eu fechei meus olhos e disse: “eu VOU conseguir. Não quero analgesia. Vamos lá!”

Foi então que escuto a voz doce da Vivian: “Ale, ele tá vindo!” Foi o momento mais emocionante da minha vida.

A dra Ju disse: “Ale, ele é cabeludo! Degura ele!”

Estendi os braços e segurei ele, que me deu os bracinhos. Meu marido estava muito emocionado também. Choramos juntos! Eu agradeci a Nossa senhora Aparecida por ter meu filho nos meus braços num parto tão lindo conduzido pela dra Ju (melhor obstetra do mundo todinho) e com a minha doula Vivian (a melhor de todas)! Sem elas eu não conseguiria.

Não tive nenhuma laceração devido a preparação prévia que fiz com muita fisioterapia pélvica e Pilates.

Estar com uma equipe humanizada foi a melhor escolha que fiz na vida. Só gratidão! Hideki nasceu no quarto, sem qualquer tipo de intervenção. Nunca vou esquecer esse momento lindo que vivemos.

Hideki nasceu dia 21 de setembro, às 11h41 da manhã, pesando 3,032 kg, com 50 cm, no quarto 06 da maternidade Curitiba, com 39 semanas e 4 dias. Parto normal, totalmente natural e muito respeitoso, sem nenhuma intervenção. Exatamente do jeito que eu queria. Chegou pelas mãos da dra Juliana Chalupe, do Grupo Nascer, com apoio da doula Vivian Pasini e de meu esposo, Fábio.

PS: o significado do nome japonês Hideki é herói brilhante / árvore generosa – e foi isso mesmo: Hideki veio abrilhantar nossas vidas no dia 21 de setembro – dia da árvore – dia escolhido por ele para conhecer esse mundão!”.

Relato de parto publicado na íntegra, não alterado ou editado pelo Grupo Nascer. Texto enviado e autorizado para publicação pela paciente Alessandra Machado Suga.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.